About Me

My photo

Paulo José da Costa é livreiro e ex-funcionário do Banco do Brasil.   Considera-se um garimpador da memória, procurando nos sótãos e porões as fotos antigas, postais, cartas, diários com que alimenta sua paixão que tem foco no cotidiano.  Pesquisador de história da música e do cinema, postando raridades no youtube.  Mantém enorme acervo de cds, dvds, fitas, vinil, discos de rádio, 16 polegadas, 10 polegadas, compactos e o escambau. Ex-libris, filmes antigos, gravuras, affiches, cartas, jornais antigos, albuns de família, postais, a lista é grande. Sempre procurando mais. Tem quatro blogs e desenvolve projeto de livro sobre o cotidiano paranaense através das fotos de família entre 1870/1960. Mantém arquivo de memória paranaense e catarinense.

23 September 2014

LINDA FOTO MOSTRA IRATY LÁ POR 1920

     



                               A data provável deste registro é na década de 1920 ou até um pouquinho antes.  Apesar da mensagem no verso, dirigida a um parente do remetente em Curitiba, ser de 1936, é provável que a foto seja pelo menos dez ou quinze anos mais antiga. Porque Irati em 1936, ao que me consta, já tinha uma bela avenida central, se bem que ainda sem calçamento.  Mas nesta foto abaixo o que se vê são verdadeiros caminhos de carroças e caminhantes. Mas os conhecedores da memória iratiense saberão a data exata e com certeza poderei colocar por aqui.  O que vale mesmo é o registro fotográfico belíssimo e de certa forma repleto de poesia e nostalgia daquele tempo. Como gosto de fazer, amplio e coloco detalhes para que vocês possam mergulhar literalmente na foto.   Bom proveito !  Agradeço sinceramente por informações e mesmo depoimentos sobre esse registro.





aqui o cartão postal em sua inteireza




uma aproximação e começamos a perceber detalhes curiosos 





os iratienses saberão dizer os edifícios que ainda existem dessa época, se é que... 




uma carroça segue rangendo lá no alto da rua, enquanto dois transeuntes descem a ladeira... de que assuntos tratariam ?... 








essas casas foram todas construídas com os pinheiros em volta. tudo girava em torno da madeira...





detalhe da foto à partir da direita. Que seria aquele galpão estilo alemão, uma igreja ?  






segundo detalhe da foto à partir da direita 






novamente o centro da foto. Sem esgoto, sem água, tudo girava na base do poço  e da latrina no fundo do quintal.






quarta ampliação, já chegando ao limite esquerdo da foto. Obervem os 4 fordecos estacionados no quinta bem à direita, em baixo. Isso nos dá uma idéia do ano aproximado da foto,  






ultima amplicação, o canto esquerdo. 






o panorama da urbe






o panorama em tamanho grande
    Paulo José da Costa
compra e recebe doações de acervos de postais e fotos antigas, inclusive álbuns de família
para arquivo particular
Proteja a memória, ensine as crianças a amar as fotografias. 
41 88050624
paulodafigaro@hotmail.com
https://www.facebook.com/paulojose.dacosta            

17 September 2014

FOTOGRAFIA MOSTRA O PRIMEIRO PRÉDIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ

         

                                                 Fundada em 19.12.1912, a Universidade do Paraná, como foi chamada inicialmente,  teve como sede o prédio número 42 da rua Comendador Araújo, próximo ao bairro do Batel.  Essa casa pertencia ao ervateiro Manuel Miró e foi alugada para a Universidade nesses anos primeiros.
                                                 Os primeiros cursos oferecidos pela Universidade foram os de Engenharia, Odontologia, Farmácia, Bioquímica, Comércio, Medicina e Cirurgia e Ciências Jurídicas e Sociais.  
                                                Tendo encontrado esta foto hoje pela manhã em um arquivo particular, e não a tendo localizado em livros ou blogs da internet. apresso-me em dar publicidade à mesma, porque formidável sob o ponto de vista documental e histórico.
                                                Há um grupo de possíveis acadêmicos em frente ao prédio, além de um veículo puxado por cavalo . As armas da Universidade, com os dizeres "Scientia et Labor" estão presentes na placa junto ao mastro da bandeira e foi a chave para eu matar a charada, já que nada mais se indicava sobre a localização do prédio.
                                                 Hoje esse prédio é ocupado pelo Shopping Omar, tendo sido alterada ligeiramente a sua fachada com a abertura de uma porta grande no lugar da antiga e das duas janelas laterais.



AS PUBLICAÇÕES DESTE BLOG TÊM DIREITOS AUTORAIS. autorizo o uso mediante citação expressa do link respectivo.



A FOTO INTEIRA MOSTRA O PRÉDIO E UM GRUPO DE ACADÊMICOS, ALÉM DE UM VEÍCULO. 







A FOTO EM DETALHES































Paulo José da Costa
compra e recebe doações de acervos de postais e fotos antigas, inclusive álbuns de família
para arquivo particular
Proteja a memória, ensine as crianças a amar as fotografias. 
41 88050624
paulodafigaro@hotmail.com
https://www.facebook.com/paulojose.dacosta


14 September 2014

A VISITA DO ENCOURAÇADO ALEMÃO "S.M.S. KÖNIG ALBERT" A SÃO FRANCISCO E JOINVILLE, 1914

                 


                     Nos álbuns de família que adquiro ou que recebo em doação de famílias interessadas, os quais permanecem a salvo em meu acervo, existe um, de Emil Gengnagel, de Joinville, que traz verdadeiros tesouros, como este que vou levar a público nesta postagem. Trata-se da visita do encouraçado alemão S.M.S. König Albert a Joinville, pouco antes da primeira guerra mundial.  




A família Gengnagel
        
               


                             Em 1913 a O Império da Alemanha testava seus navios de guerra, na busca de uma consolidação de sua força marinha, frente às demais potências à época, principalmente Grâ Bretanha e França.   Também havia a vontade  de fortalecer as ligações com territórios de colonização germânica.  Mas a viagem pelo Atlântico visava também testar os possantes motores frente às águas do oceano. Lembremos que no ano seguinte aconteceria a deflagração da Primeira Guerra Mundial e durante a guerra o König Albert participou de batalhas mas saiu incólume ao final de conflito, sendo afundado em 1919 pelo seu próprio capitão, em Scapa Flow, junto com  toda a esquadra remanescente alemã, para não ser entregue ao inimigo. Está lá, nos fundos das águas da baía escocesa até hoje.   Porém, neste espaço nos cabe apenas mostrar as fotos da visita que essa  nave alemã fez a São Francisco e Joinville, no ano de 1914.   Uma esquadra de 3 navios bélicos alemães visitava o Brasil naquele ano, Além do S.M.S. König Albert", também o seu gêmeo "S.M.S.Kaiser" e o pequeno cruzador "Strassburg" vieram ao nosso país.    As fontes que encontrei dão as datas da viagem da pequena esquadra como saída da Alemanha em 9 de dezembro de 1913 e chegada ao Rio de Janeiro em 15 de fevereiro de 1914. De lá dirigiram-se para o sul. Conforme me passou a querida Brigitte Brandenburg, na página "Joinville de ontem" do Facebook, " o navio König Albert ancorou na ilha da Graça na baía de Babitonga, em de de maio de 2014. No dia 5 de maio parte de tripulação, perto de 300 marinheiros, visitaram Joinville, onde houve muita festa. Os marinheiros ficaram hospedados em muitos locais. Eu imagino, vendo essas fotos, o que deve ter sido essa festa !...






imagem de cartão postal do navio, que encontrei no site da marinha imperial da Alemanha www.kaiserliche-marine.de






















         Encontrei num site as seguintes observações sobre a viagem:

"A rota da Divisão naval previa a descida da costa ocidental da África. Pensava-se inicialmente chegar até à Cidade do Cabo, projeto logo abandonado devido a tensões políticas. 
Saindo da Alemanha, os navios passaram pelas Ilhas Canárias e por Serra Leoa, atingindo Lomé, no Togo alemão, no dia 29 de dezembro. Partindo dali no dia 31 de dezembro, as naves chegaram no dia 2 de janeiro à região então também alemã dos Camarões, com escalas em Victoria e Duala. Ali encontraram-se com as naves da Estação da África Ocidental, as canhoneiras SMS Panther e SMS Eber
Partindo no dia 15 de janeiro, atingiram Swakopmund no dia 21 e Lüderitzbucht no dia 22 de janeiro, portos da África Alemã do Sudoeste (Namíbia). Saindo de Lüderitzbucht, a esquadra atravessou o Atlântico passando por Santa Helena no dia 2 de fevereiro. Alcançou o Rio de Janeiro no dia 15 de fevereiro, onde permaneceu até o dia 25 de fevereiro. 
Do Brasil, as naves seguiram para o Mar del Plata. Ali permaneceram o SMS Kaiser e SMS König Albert, dirigindo-se apenas o cruzador Straßburg para Buenos Aires. Por motivo do adoecimento do seu comandante, Hubert von Rebeur Paschwitz, o comando geral foi assumido temporariamente por Adolf von Trotha. Este dirigiu o SMS Kaiser e o SMS König Albert a Montevideo, onde prestou uma visita ao presidente do Uruguai. Chegando de Buenos Aires o cruzador Straßburg, Rebeur Pasteur assumiu novamente o comando da Diivisão. As naves prosseguiram a viagem ao Estreito de Magalhães, dobrando o continente pelo sul e subindo pela costa chilena até Valparaíso, onde permaneceram de 2 a 11 de abril. 
Retornando, as naves pararam em diversos portos, entre êles Bahia Blanca, onde estiveram de 25 a 28 de abril, atingindo por fim Santos. No porto paulista, a esquadra manteve-se por vários dias, de 7 a 12 de maio, ali procedendo-se então à modificação de planos que levou à separação do Straßburg, enviado à República Dominicana. Novamente no Rio de Janeiro, as naves Kaiser eKönig Albert abandonaram a capital brasileira no dia 16 de maio, dirigindo-se às ilhas do Cabo Verde e à Madeira. Após passar por Vigo, chegaram à Alemanha no dia 17 de junho.
Bispo, A.A. "Há 100 anos: a viagem da Marinha de Guerra do Império Alemão ao Atlântico e Pacífico como marco final de uma era em anos de simpatia pelo militarismo alemão do Marechal Hermes da Fonseca (1855-1923)". Revista Brasil-Europa: Correspondência Euro-Brasileira 141/2 (2013:1).http://revista.brasil-europa.eu/141/Brasil-Alemanha-1913.html


Paulo José da Costa
compra e recebe doações de acervos de postais e fotos antigas, inclusive álbuns de família
para arquivo particular
Proteja a memória, ensine as crianças a amar as fotografias. 
41 88050624
paulodafigaro@hotmail.com
https://www.facebook.com/paulojose.dacosta


08 September 2014

PONTA GROSSA ERA ASSIM...

                      Minha terra estará completando 191 anos no próximo dia 15 de setembro.  Anseio pelo bicentenário, em 2023,  quero estar por lá na grande comemoração, quando a Princesa dos Campos festejar 200 anos. Enquanto não vem essa data linda, irei alimentando meu blog com fotografias de sua história. Hoje posto um florilégio de vistas dessa que é uma das cidades mais fotografadas do Paraná, por onde passaram viajantes, turistas, fotógrafos itinerantes, profissionais e amadores. A cidade nos últimos trinta anos tem sofrido transformação brutal, muitos de seus mais belos edifícios vindo abaixo por descuido daqueles que deveriam zelar pelo seu patrimônio arquitetônico. Apesar de continuar linda e charmosa, suas praças mais tranquilas, como a da estação, andaram perdendo um pouco de sua antiga beleza com o descontrole total na permissão de novas obras e comércio de rua. Lembro da catedral, inaugurada em 1902 e posta abaixo nos anos 70 para em seu lugar surgir algo feio, sem nenhuma identificação com a população e suas mais caras tradições. Quando se derruba um velho edifício cheio de histórias é a memória coletiva da urbe que vem abaixo. Não é só a cidade que fica mais pobre, é sua população.

A PACATA PONTA GROSSA DOS ANOS 50, O CONVÍVIO ENTRE AS CARROÇAS E O AUTOMÓVEL. À ESQUERDA A ESTAÇÃO FERROVIÁRIA. À DIREITA A PRAÇA JOÃO PESSOA. Essa é a praça da minha infância. Brinquei nessa região quando menino, entre 1959 e 1965.   


Ponta Grossa, início dos anos 50

A MESMA REGIÃO HOJE

fonte: wikipedia


Ponta Grossa, anos 50

UMA PANORÂMICA DA CIDADE LÁ DOS ALTOS DA SANTA CASA. ESSA VISTA É MUITO RECORRENTE E ENCONTRAMO-LA POR DIVERSAS ÉPOCAS DA CIDADE.  Como sempre é a catedral que aparece vistosa no alto da colina. À esquerda vê-se a chaminé da Cia Cervejaria Adriática, outro dos ícones da cidade que foram derrubados pela especulação imobiliária.    


O PARQUE INFANTIL EM FRENTE AO COLEGIO REGENTE FEIJÓ, NA PRAÇA BARÃO DO RIO BRANCO, ISSO LÁ POR 1935  

Ponta Grossa, lá por 1935


EU ERA UM PIÁ DE BOSTA QUANDO ESSA FOTO FOI BATIDA, POR VOLTA DE 1961. O EDIFÍCIO MARIETA, À DIREITA. O PRÉDIO AO CENTRO ERA A LOJA DE DEPARTAMENTOS HERMES MACEDO. Lá em cima aparece o Cine Ópera. Em baixo vemos a praça Barão do Rio Branco, com a concha acústica e a fonte luminosa.

Ponta Grossa em 1961 



OUTRO PANORAMA LÁ DOS ALTOS DA SANTA CASA. ESSE É DO FOTÓGRAFO FREDERICO LANGE E FOI FEITO NA PRIMEIRA DÉCADA DO SÉCULO XX.  Lange (sobre quem saiu recentemente um precioso livro recheado de belas imagens) lançou uma série de fotos em cartões postais, enriquecendo a iconografia princesina.  

Ponta Grossa, em torno de 1910


MAIS DOIS POSTAIS DE FREDERICO LANGE, início do século XX 

Ponta Grossa, em foto de Frederico Lange

Ponta Grossa, Rua XV, foto de Frederico Lange


LINDO CARTÃO POSTAL COLORIDO MOSTRANDO A AVENIDA VICENTE MACHADO QUANDO AINDA TINHA UMA COLUNA CENTRAL DE BELAS ÁRVORES. 




LARGO ONDE HOJE FICA A PRAÇA BARÃO DE GUARAÚNA, NO INÍCIO DO´SÉCULO XX
Ponta Grossa, o largo da Igreja dos Polacos, hoje Praça Barão de Guaraúna, no início do século XX. Foto de Lange


FORMIDÁVEL TOMADA DO BULÍCIO NA PRAÇA JOÃO PESSOA, COM OS CARROÇÕES DOS COLONOS EM DIA DE FESTA. MAIS PARA CIMA SE VÊ A AVENIDA FERNANDES PINHEIRO.

Ponta Grossa, praça da Estação. Em cima, a rua Fernandes Pinheiro

O CORSO CARNAVALESCO EM TODA A SUA GLÓRIA, COM OS CARROS ENFEITADOS, CONFETES, SERPENTINAS E OS BLOCOS DE FOLIÕES.

Ponta Grossa, o corso carnavalesco


LINDA FOTO DE FREDERICO LANGE MOSTRANDO A ESTAÇÃO FERROVIÁRIA SEIS ANOS APÓS SUA INAUGURAÇÃO, 1907.  

A Estação Ferroviária de Ponta Grossa em 1907 Foto de Lange


NESTA PANORÂMICA, DE 1901, A CATEDRAL ESTAVA EM CONSTRUÇÃO. ELA SERIA INAUGURADA NO NATAL DE 1902, COM MISSA FESTIVA.  LOCALIZEI HÁ TEMPOS A PARTITURA DA OBRA QUE FOI APRESENTADA NESSA DATA SOLENE, UMA MISSA "DE SÃO PEDRO DE ALCÂNTARA" PARA INSTRUMENTOS DE SOPRO E CORO A QUATRO VOZES.  

Panorama de Ponta Grossa, em 1901

A RUA AUGUSTO RIBAS JÁ FOI ASSIM...


Ponta Grossa, rua Augusto Ribas

A PRAÇA BARÃO DO RIO BRANCO EM DIA DE PASSEATA. A FOTO FOI BATIDA DAS JANELAS DO COLEGIO REGENTE FEIJÓ.  BEM À DIREITA SE VÊ O PREDIO DA MAÇONARIA.  DÉCADA DE 20

Ponta Grossa, Praça Barão do Rio Branco, anos 20


FOTO DO CORSO CARNAVALESCO EM 1910 

Ponta Grossa, carnaval de 1910







PANORAMA DA CIDADE PR VOLTA DE 1940


Ponta Grossa, panorama lá por 1940

CARTÃO POSTAL MOSTRANDO A ESTAÇÃO FERROVIÁRIA VISTA DE DENTRO, NO MOMENTO DA CHEGADA DE UMA COMPOSIÇÃO. EM TORNO DE 1915


Ponta Grossa, estação ferroviária vista de dentro, 1915


A MESMA POSIÇÃO DO FOTÓGRAFO DA IMAGEM ANTERIOR, ALGUNS ANOS ANTES.

Ponta Grossa, a estação em 1909


O ANTIGO LARGO DO MERCADO

POnta Grossa em postal do início do século XX, Largo do Mercado  


A BELA CATEDRAL ANTIGA EM TODA SUA MAGNIFICÊNCIA


A velha catedral de Ponta Grossa

UMA FOTO RARA, A RUA DEZENOVE DE DEZEMBRO EM 1972, EM FOTO DESTE ESCRIBA. à esquerda vemos a residência da Senhora Mariquinha Bach Guzzoni, minha avó. À direita o prédio da fundição do sr. Alfredo  Perli. Lá em baixo o Mercado Municipal, na época em seu apogeu. Antes dessa construção naquela baixada ficava o famoso "buraco quente", na verdade um  lixão onde a cidade toda jogava suas porcarias. Cansei de brincar por ali quando menino. Com a construção do mercado, o local foi saneado. Ah, sim, o fusca era do meu colega de Banco do Brasil, João Alberto Bührer. A gente ia e voltava de São Mateus do Sul nos finais de semana, onde trabalhávamos.  

DETALHE ROMÂNTICO.  LÁ EM CIMA, BEM NO ALTO, NA ESQUINA DA 19 DE DEZEMBRO COM FRANCISCO BURZIO, MORAVA A FAMÍLIA ROUGER MIGUEL VARGAS, E AQUELA QUE IRIA SER MINHA ESPOSA, A VALÉRIA.  NESSA ÉPOCA AINDA NÃO NOS CONHECÍAMOS, MAS DALI A DOIS ANOS EU DESCOBRIRIA AQUELA MENINA SAPECA QUE ROUBARIA MEU CORAÇÃO...


Ponta Grossa, rua 19 de dezembro em 1972 


CARTÃO POSTAL COM BELÍSSIMO PANORAMA LÁ DE UVARANAS, TIRADO LÁ DO ALTO DA TORRE DA IGREJINHA. VÊ-SE A ESTAÇÃO FERROVIÁRIA EM TODA A SUA EXTENSÃO. UM DOCUMENTO.


Ponta Grossa, panorama visto da torre da igrejinha de Uvaranas

MAIS DOIS POSTAIS DE FREDERICO LANGE, DO INÍCIO DO SÉC XX


Ponta Grossa, postal com foto de Frederico Lange

Ponta Grossa no ínicio do século XX, O Largo é onde fica hoje a praça Barão de Guaraúna

A AVENIDA VICENTE MACHADO EM FOTO DOS ANOS 40

POnta Grossa lá por 1940


O PRÉDIO DA ANTIGA PREFEITURA MUNICIPAL, NA RUA DR. COLARES ESQUINA COM ENGENHEIRO SCHAMBER

Ponta Grossa, a antiga prefeitura


MAIS UMA PANORÂMICA TIRADA LÁ DOS ALTOS DA SANTA CASA 

Panorama de Ponta Grossa dos altos da Santa Casa


NESTE POSTAL, POSSIVELMENTE DE 1960, 1961, VÊ-SE A NOSSA BELA CATEDRAL. EMBAIXO VEMOS UM PEDACINHO DO CLUBE PONTAGROSSENSE

Ponta Grossa, a velha catedral



A PRINCIPAL ARTERIA DA CIDADE, COM AS ÁRVORES DEVIAMENTE PODADAS, FOTO TIRADA LÁ POR 1928.  QUEM FOI O PREFEITO QUE CORTOU ESSAS ÁRVORES ?

Ponta Grossa, a avenida Vicente Machado quando possuía árvores no canteiro central 


FOTO DE FREDERICO LANGE, TIRADA DE ONDE HOJE É A RUA ERMELINO DE LEÃO.  POSSIVELMENTE 1910 OU POUCO MAIS

Ponta Grossa em priscas eras, foto de Lange


DIA DE FESTA NA ESTAÇÃO. POSSIVELMENTE A CHEGADA DE UM GRANDE POLÍTICO.   GETÚLIO VARGAS ? 

dia de festa na estação de Ponta Grossa

MISSA DO CENTENÁRIO DA CIDADE, 1923... À ESQUERDA A IGREJA DO ROSÁRIO, COMO ERA.  EM 2023 ESPERO COMPARECER Á MISSA DO BICENTENÁRIO...

Missa do centenario de Ponta Grossa, 1923  


OLHA SÓ O NOSSO AEROPORTO, ANOS 50

aeroporto de Ponta Grossa nos bons tempos da Real...


A GARBOSA TROPA DO 13 RI EM DIA DE PARADA, 1938

a tropa do 13 RI em 1938

OS COLEGIAIS E AS TROPAS SE REUNIAM NOS ARREDORES DA PRAÇA DA ESTAÇÃO PARA SE CONCENTRAR ANTES DOS DESFILES. ESTE É DO DIA DA BANDEIRA.

Ponta Grossa em dia de parada


OLHA AÍ O DESFILE CÍVICO-MILITAR


a Capital Cívica do Paraná em dia de festa 


O HIPÓDROMO DE UVARANAS EM DIA DE GALA

O hipódromo de Ponta Grossa em dia de gala


O QUARTEL DO ENTÃO 13 RI


o quartel do 13 RI


A AVENIDA BALDUÍNO TAQUES

POnta Grossa, a avenida Balduíno Taques

A PRAÇA DA ESTAÇÃO, UM DOS CENTROS VITAIS DA URBE, EM 1927


Ponta Grosssa, a praça da Estação em 1927



A IGREJA DO ROSÁRIO ANTIGA E O COLEGIO REGENTE FEIJÓ

a antiga igreja do Rosário ao lado do Colégio Regente Feijó, em Ponta Grossa  

VISTA DA PRAÇA BARÃO DO RIO BRANCO ANTES DE SUA URBANIZAÇÃO NOS ANOS 30/40

Praça Barão do Rio Branco na Ponta Grossa dos anos 20


ESTAS FOTOS FORAM BATIDAS POR MIM, DIAS ANTES DA DEMOLIÇÃO DA VELHA CATEDRAL. POSSIVELMENTE OS ÚLTIMOS REGISTROS DO VELHO E SAUDOSO PRÉDIO.  QUE TAL DEMOLIR O BOLO DE NOIVA ATUAL E RECONSTRUIR A ANTIGA CATEDRAL NOS MÍNIMOS DETALHES ?  


A velha catedral de Ponta Grossa, foto de Paulo José da Costa

Ponta Grossa e sua velha catedral demolida, foto de Paulo José da Costa



a velha catedral de Ponta Grossa, foto de Paulo José da Costa



A CASA OSTERNACK. FOTOS QUE BATI ANTES DA DEMOLIÇÃO

detalhe do prédio dos Osternack pouco antes de vir abaixo. Foto de Paulo José da Costa

Ponta Grossa, edifício dos Osternack, foto de Paulo José da Costa

A casa Osternack, Ponta Grossa, foto de Paulo José da Costa

Detalhe da Casa Osternack, pouco antes da demolição. Foto de Paulo José da Costa



DETALHES DA PANORÂMICA DE FREDERICO LANGE, DE 1901










ESTA FOTO EU TIREI EM 1976, NA MESMA ÉPOCA EM QUE FILMEI A CIDADE, PELÍCULA QUE ESTÁ NO YOUTUBE (link abaixo)

Ponta Grossa em 1972, foto de Paulo José da Costa

FILME QUE FIZ EM 1976

MAIS DUAS PANORÂMICAS DE FREDERICO LANGE. 








Paulo José da Costa
compra e recebe doações de acervos de postais e fotos antigas, inclusive álbuns de família
para arquivo particular
Proteja a memória, ensine as crianças a amar as fotografias. 
41 88050624
paulodafigaro@hotmail.com
https://www.facebook.com/paulojose.dacosta