About Me

My photo

Paulo José da Costa é livreiro e ex-funcionário do Banco do Brasil.   Considera-se um garimpador da memória, procurando nos sótãos e porões as fotos antigas, postais, cartas, diários com que alimenta sua paixão que tem foco no cotidiano.  Pesquisador de história da música e do cinema, postando raridades no youtube.  Mantém enorme acervo de cds, dvds, fitas, vinil, discos de rádio, 16 polegadas, 10 polegadas, compactos e o escambau. Ex-libris, filmes antigos, gravuras, affiches, cartas, jornais antigos, albuns de família, postais, a lista é grande. Sempre procurando mais. Tem quatro blogs e desenvolve projeto de livro sobre o cotidiano paranaense através das fotos de família entre 1870/1960. Mantém arquivo de memória paranaense e catarinense.

15 May 2016

AS LEMBRANÇAS DO NAEL (OU: COMO ERA A ESTAÇÃO DE VALINHOS, EM GUARAÚNA, TEIXEIRA SOARES, ENTRE 1935-1955


         
                   A ESTAÇÃO VALINHOS NO DISTRITO DE GUARAÚNA (TEIXEIRA SOARES-PR)  DA REDE VIAÇÃO PARANÁ SANTA-CATARINA NA MEMÓRIA DE NAEL NUNES ROCHA, QUE LÁ VIVEU ENTRE 1935 e 1955 




                          Quando morremos todas as nossas memórias se apagam, somem no limbo. Bilhões de informações, sentimentos, lembranças e sensações passadas, fatos corriqueiros e muitos da maior importância para a história e a compreensão da vida humana se vão todos os dias, todas as horas, a cada minuto passado.  Cada pessoa que se vai é uma enciclopédia que se perde.   A única forma de preservar pelo menos parte dessa memória que temos em nossos cérebros é registrando-a de alguma forma. Podemos escrever um livro, deixar as fotografias com comentários para um herdeiro, ou, como fez Nael, desenhar...  A importância da forma escolhida por Nael é que tudo o que ele tinha em seu cérebro, em sua memória a respeito dessa parte de sua vida que ele passou num rincão do interior paranaense  ele passou de modo quase fotográfico para o papel e enriqueceu narrando em detalhes, colocando tudo o que se lembrou nessas cinco folhas.  E como ele tinha esse talento como ninguém, assim como a sensibilidade de perceber a importância do que estava fazendo, disponibilizá-las a todos para mim é um dever.   A importância dos documentos é evidente, é uma perfeita radiografia de uma pequena vila paranaense, um retrato do cotidiano que temos transportado quase magicamente para nossas retinas, uma viagem a uma época que se foi.    Palavras são desnecessárias, deixo a vocês as impressões e evocações.
 
                           Neste sítio da internet encontramos uma biografia de Nael Nunes Rocha, o nosso desenhista, nascido em 1928, em Ponta Grossa, e falecido em Curitiba, em 1996. Seu irmão, Horácio, traçou em poucas linhas uma perfeita biografia do nosso desenhista. Está lá o que ele fazia, as artes que desenvolveu, os sentimentos de amizade e amor que angariou e que passou a todos os que com ele conviveram. Sinto muito não o ter conhecido pessoalmente. Apesar de sermos conterrâneos, nunca tivemos oportunidade de nos encontrarmos. De alguma forma presto meu reconhecimento à sua personalidade com esta postagem.

http://escritosanalfabetos.blogspot.com.br/2009/06/biografia-de-nael-nunes-rocha-tio-nael.html


clique nas imagens e veja-as em tamanho maior.
no final da postagem coloquei as imagens em tamanho grande.  
permito copias desde que citado o blog.
agradeço a quem me enviar fotos antigas de Valinhos, Guaraúna, para enriquecer a postagem. 

                O PRIMEIRO DESENHO







                 DETALHE



                                                         

              O SEGUNDO DESENHO  

                                     





            VISITE VALINHOS HOJE ATRAVÉS DO GOOGLE MAPS 


https://www.google.com/maps/@-25.3250498,-50.3559378,412m/data=!3m1!1e3?hl=pt


              FOTO DA ESTAÇÃO DE VALINHOS EM 1935 (foto de Wischral)





              OS DETALHES DO SEGUNDO DESENHO



























              O TERCEIRO DESENHO























         O QUARTO DESENHO




           O QUINTO E ÚLTIMO DESENHO

   



TODOS OS DESENHOS EM TAMANHO GRANDE























copyright Paulo José da Costa 
permitida a reprodução mediante citação expressa do blog
2016






Paulo José da Costa é um pesquisador e guardião de memórias. Se você possui fotos, postais, documentos, filmes, que deseja preservar, divulgar,  pode nos enviar para ser guardado em nosso arquivo ou ser divulgado no blog.  Compro, recebo doações, copio, vou até sua casa buscar. Sem finalidade de lucro.                            F. 41 88050624   paulodafigaro@hotmail.com

5 comments:

  1. Extraordinária mente fotográfica, e olha que ele estava em uma UTI de um hospital! Magnifico trabalho, merece um lugar de destaque em qualquer biblioteca do Paraná! Muito obrigado Nael Nunes Rocha!

    ReplyDelete
  2. Olha só quanta nostalgia! Belas memórias! Eu vivi por 11 anos em Guaraúna, a melhor fase da minha vida! Meu pai era agente ferroviário desta mesma estação, entre os anos de 1984 à 1997, quando infelizmente a RFFSA venho a ser privatizada, moramos na casa onde o Sr. Nael indicou que sua família viveu por 20 anos, não sei se era a mesma construção, mas o local é o mesmo, em frente a estação. Sempre que podia eu ia para estação, ficava na plataforma vendo o trem chegar, ainda lembro do imponente relógio de pêndulo, as chaves comutadoras na parede, os telefones pretos a manivela, o quepe da RFFSA que meu pai usava, os bambolês, onde eram colocados os PODE, e quando o trem passava pela estação, o agente entregava para o maquinista, sem haver necessidade de parar a composição, a lanterna que funcionava com diversas pilhas e era usada a noite para ir até a chave do cruzamento, para mudar os trilhos, também era usada para sinalizar ao maquinista, colocando a frente da lâmpada uma plaquinha amarela, verde ou vermelha, lembro da forte buzina, o barulho do motor lá longe e aquela fumaça levantando por trás das árvores, quando olhávamos da plataforma em direção à Ponta Grossa, o tremer das pedras brita enquanto rompiam pelos trilhos as máquinas e vagões, o cheiro da estação, cheiro de óleo diesel misturado a cera em pasta e móveis e papeis antigos, lembro o quanto brilhava o chão da estação, que meu pai mantinha com muito zelo, que aperto no meu coração, quantas saudades! Caro Paulo José, obrigado por compartilhar estas obras primas, vou ver se encontro algumas fotos antigas, caso queira. Gostaria de solicitar sua permissão para imprimir estes desenhos, quero colocá-los em minha parede para sempre lembrar de onde venho, minhas raízes.

    ReplyDelete
    Replies
    1. fique à vontade para imprimir. Estou muito feliz por ter lhe trazido tanta alegria e nostalgia. Quanto às fotos agradeço demais se me conseguir. Irão para o arquivo onde serão conservadas e se me autorizar irei divulgá-las. Meu e-mail para contato é paulodafigaro@hotmail.com. Meu telefone é 41 88050624. Não sei onde você reside, mas moro em Curitiba e vou sempre a Ponta Grossa para, se for o caso, pegá-las. Um abraço cordial. Paulo

      Delete
  3. This comment has been removed by the author.

    ReplyDelete
  4. Sobre o comentário do Sr. Diogo, bacana saber que ele morou em Guaraúna tantos anos. Eu e 4 irmãos mais novos nascemos lá na casa do Agente (naquela época a casa era outra, edificada com paredes duplas de madeira). A Estação também era edificada da mesma forma, mas em duas partes: A Estação propriamente dita e o Armazém de Cargas. Quando eu saí de lá em 01/02/1952, já tinha sido remodelada a Estação para edificação única, com nova plataforma concretada. A anterior era feita de blocos de rochas e estavam desgastadas porque as pessoas usavam afiar facões e machados naquelas rochas das beiradas. Agora com 81 anos de idade essas coisas afloram com intensidade na minha memória. Felicidades a todos. Atte.

    ReplyDelete

seu comentário está em análise. Em breve será postado.